sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

PÁSCOA: A SENDA VITAL





      Paraíso ou bem-aventurança é a vivência de uma existência em plenitude, máxima realização da pessoa humana, feliz ao ter encontrado sentido existencial no etos do amor agápico e imersa neste pela fé viva, através da contemplação do modelo Jesus Cristo, praticando a autodoação, para que todos encontrem a mesma plenitude de vida, construindo uma comunhão existencial que transforma o mundo.
Assim, o modelo divino, Jesus Cristo, revela, no amor do Pai, o sentido da existência como autodoação, para gerar vida genuína e abundante no mundo; a santidade cristã consiste na conversão, pela graça divina, fazendo passar a pessoa, do egocentrismo à doação da própria vida, para a vivificação do mundo. Essa entrega cotidiana a serviço da edificação do reino de Deus ao longo da história, ao formar uma comunidade de profusão na vivência dessa lógica, tem no testemunho da alegria, a potência que se atualiza ao restaurar o mundo.
      A Sagrada Escritura cristã proclama Jesus Filho de Deus, que assumiu a natureza humana, ensinou uma ética baseada no amor a Deus e ao próximo a ponto da autodoação vital, como afirma o Evangelho: "Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3,16). De fato, Cristo ensinou e vivenciou a máxima realização humana, que consiste na profusão do amor ao ponto de entregar a sua vida para que todos vivam. Para Jesus, "há mais felicidade em dar que em receber" (Atos 20, 35). Tal é o sentido existencial pelo qual todo ser humano anela.
  Nessa lógica, compreende-se a presença do paraíso ou bem-aventurança como estado de vida imersa na comum-união com Deus, com todos os seres humanos e com o cosmos, na dimensão cristocêntrica da santidade vivida. Estado que se experimenta na graça divina através de Jesus como modelo, na conversão que impulsiona, pela fé, ao amor oblativo, abandonando o egocentrismo. Nesta direção escreveu Thomas Merton (1965, pp.42;131): "o santo vê, em tudo e em todos os seres humanos, o objeto da compaixão divina" e "Sem amor e compaixão para com os outros, nosso suposto 'amor' ao Cristo é pura ficção". 

      À medida que esse etos se difunde na humanidade pelo anúncio de Cristo, através do testemunho dos que vivem essa realidade, irradiando alegria por terem encontrado o sentido, ao passo que vai congregando mais pessoas, cresce em potência atuante de renovar o mundo no amor que é comunhão em Deus, na entrega cotidiana da própria existência a exemplo de Cristo, dispensador da plenitude de vida.
      Por tudo isso, manifesta-se o paraíso ou santidade como um constante estado de conversão pela doação de si para que todos vivam plenamente, desde que Jesus revelou que o sentido da existência é esta vivência à imagem e semelhança de Deus, na efusão do amor que renova o mundo, inter-relacionando toda a humanidade numa profusão de vida que regenera as esferas ética, política e cósmica, a partir de Cristo como senda de páscoa, plenitude e ressurreição

REFERÊNCIAS
BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2002.
MERTON, Thomas. Vida e santidade. São Paulo: Heder, 1965.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário