terça-feira, 2 de dezembro de 2014

FR. JONAS SILVA : LIVROS LANÇADOS

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CAPANEMA-PA, DEZEMBRO DE 2008: "CULTURA E TURISMO, CAPANEMENSES"
 
 
TRIZIDELA DO VALE-MA, JANEIRO DE 2014: "CINQUENTENÁRIO" E "NOVICIADO EM POESIAS"
 
 
 
 

BELÉM-PA, SETEMBRO DE 2014: "ÉTICA, CORPO E AMOR" E "BOULEVARD DE INVERNO"
 
 
CAPANEMA-PA, OUTUBRO DE 2014: "ÉTICA, CORPO E AMOR" E "BOULEVARD DE INVERNO"


 
 
 
 
LIVRO "SENDA VIVA", EM 2016, PELO CLUBE DE AUTORES
 

quinta-feira, 3 de abril de 2014

O SANTO PAPA E A SEXUALIDADE - Frei Jonas Matheus Sousa da Silva[1]






O papa João Paulo II, canonizado após sua morte, na Igreja Católica Romana, é um santo extremamente próximo da questão do amor e da sexualidade humanos. Pois, este pontífice polonês, quando era ainda o padre Karol Wojtyla, na Polônia, pensou de modo intenso as questões humanas, do amor e da sexualidade e, nos seus ensinamentos como papa, elevou o entendimento sobre o corpo humano e o amor heterossexual a um sinal sagrado e eminente que expressa a essência de Deus.
Conhece-se que João Paulo II, papa da Igreja Católica Romana, de 1979 a 2005, foi canonizado no dia 27 de abril de 2014, pelo Papa Francisco. Partindo de sua canonização, São João Paulo II pode ser venerado como santo em todo o mundo católico- romano.
É fato que, o padre Wojtyla lecionava Filosofia Moral nas universidades polonesas de Lublin e Cracóvia, e se dedicou ao pensamento filosófico em torno do amor humano e da sexualidade, elaborando o livro "Amor e Responsabilidade" (1960), onde desenvolveu o conceito basilar de "Norma personalista", que diz: "... a pessoa é um bem, o qual não está de acordo com a utilização, tendo em vista que não pode ser tratada como objeto de uso, portanto como um meio [...] é um bem tal que só o amor se relaciona com ela própria e plenamente" (Cap. 1;1.6). Desse modo, Wojtyla desenvolveu uma filosofia peculiar sobre o amor humano, oposta à de Herbert Marcuse (1898-1979), que defendeu a liberação sexual como modo de evitar a violência em "Eros e civilização" (1955).
Sabe-se ainda que, desde 1979, quando Wojtyla se tornou o papa João Paulo II, até 1984, dedicou seu magistério catequético ao tema do amor humano entre homem e mulher como sinal eminente de Deus, acreditado como único em três pessoas divinas, essencialmente comunhão pessoal de amor; essa realidade está expressa no matrimônio e na recíproca entrega de marido e mulher, dado que, em suas estruturas corporal e psicológica, ambos se complementam. A tais ensinamentos intitulou-se "Teologia do corpo do papa João Paulo II".
Portanto, São João Paulo II pode ser considerado como o santo dedicado à questão do amor e da sexualidade humanos, no âmbito familiar.  Foi um filósofo que pensou a ética do amor heterossexual e, quando papa, elevou a compreensão da entrega recíproca do casal humano a uma linguagem privilegiada para falar do Ser Divino. Pode-se auspiciar que São João Paulo II ainda receberá da Igreja o título de "Doutor", este que é conferido a poucos santos e santas, merecido por sua contribuição com a doutrina e a espiritualidade católicas, através de sua Teologia do corpo.

REFERÊNCIAS
WEST, Christopher. Teologia do corpo para principiantes: uma introdução básica à revolução sexual do papa João Paulo II. Prior Velho: Paulinas, 2009.
WOJYYLA, Karol. Amor e responsabilidade: estudo ético. São Paulo: Loyola, 1982.