sábado, 14 de julho de 2012

CONSOLO (Por: Deyvianne Pinheiro)




Partir assim, tão repentinamente,
embora houvesse tentado preparar-me durante 3 anos,
a iminência de ter que deixar-te
partiu-me o coração.

Tive que levar meus sonhos adiante, Capanema...
E fui inconformada com o descaso em que tu estavas,
inconformada com o pouco que tu podias me oferecer
do que precisava para crescer.


Levei a certeza, de que se cresço
cresces comigo,
porque eu volto, eu volto...
Cresceste pouco, plantinha,
teus jardineiros não plantaram em ti a semente de sumaúma,
tampouco cuidaram-te como deverias,
e a água que era tua,
evaporou...
Tu sabes que se houvesse condição, alguma,
não te deixava jamais.


Preciso de ti, tal qual filha e mãe,
te amo, verdadeiramente...
Digo isso porque vi,
vi a Cibrasa chorando,
ao mesmo tempo que chorei,
quando saí do teu colo.


Ah! Capanema, mesmo com tantos problemas,
quero-te tão bem...
Bem, e que bem fizeram a ti?
Só sei que não vi, porque o resto...
Florestas viraram pastos,
lindos caminhos, areia...
Rios agonizam.


Não quero calar-me
clamo pelo saber,
clamo por oportunidades.

Uso a voz como único meio
de mostrar a tristeza,
que certeza, não é só minha,
de mostrar a saudade,
que não é só minha,
de mostrar a esperança,
que não é só minha.


Voltarei Capanema, me espera,
porque fins de semana,
não acalmam um coração repleto de saudade.
Apenas injetam ânimo e coragem,
para seguir nessa luta.


Mas em breve,
eu voto,
eu volto de vez!



Disponível em: http://www.jornalcapanema.com.br/pagina_detalhes.php?Pagina=Cidade&Noticia=53

Nenhum comentário:

Postar um comentário