quinta-feira, 7 de junho de 2012

ETERNA VOZ





Inteligindo o livro da existência, 
Como uma singela pessoa,
 Lavrado no tempo, foi o amor;
 Fraterno amor, que brota da ternura, 
Anunciando, da chama viva, o perene calor,
 Brotado na eterna voz que ressoa 
Encaminhando-nos na via da essência.

Ordem que vige nas entranhas da presença,
 Legitimando a cruz plantada na vida;
 Saindo adiante à luz da sabedoria, na 
Verdade do dasein que cultiva sua rosa 
Subindo rumo às alturas formosas, 
Irradiantes de esplendor da parusia, 
Imperando sobre a angústia perdida 
Pelo amor, sentido pleno da vivência. 
 
São Luís – MA, 07 de junho de 2012.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário