sábado, 12 de maio de 2012

MÃE




 Para Antônia do Carmo, querida mamãe;    

 Mulher extraordinária,
 Quem me deu vida
Trazendo-me em seu ventre
Enquanto me fazia ente. 

Ó Sagrada mamãe,
 De tão ternas mãos
E puro coração
Lindo como a canção.

Grandiosa mulher,
tanto amas até
 O amor em ti ser.

Virtuosa senhora,
 Com alegria ou chorosa,
 Pessoal flor, tão mimosa! 

São Luís, maio de 2012.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário